Especialidade de História em Quadrinhos Respondida - Desbrava7 | Especialidades Respondidas | Desbravadores

Especialidade de História em Quadrinhos Respondida

em 06/11/2020

Especialidade de História em Quadrinhos, se você não tem, vem fazer essa especialidade, ela é bem divertida, um desafio para quem não sabe desenhar, mas vale a pena!

Especialidade de História em Quadrinhos Respondida

Especialidade de História em Quadrinhos


1.
Escrever um relatório sobre história em quadrinhos, contendo seus principais fatos históricos, características e personagens, explicando porque ela é considerada a Nona Arte.

R: A História em Quadrinhos nasceu como gênero em 1895, com a publicação da primeira tirinha que convencionou a linguagem das HQs tal qual conhecemos hoje. As Histórias em Quadrinhos, ou simplesmente HQs, normalmente estão associadas à narração, apresentando texto e imagem que estabelecem uma ideia de complementaridade. Gênero muito popular entre crianças e adolescentes, as Histórias em Quadrinhos infelizmente ficaram, por muito tempo, relegadas ao injusto rótulo de “subgênero”. Contudo, as HQs têm ganhado cada vez mais força, demonstrando que grandes histórias podem ser contadas sob o viés da Arte Sequencial.

A primeira história em quadrinhos de que se têm notícias no mundo foi criada pelo artista americano Richard Outcault, em 1895. A linguagem das HQs, tal qual conhecemos hoje, com personagens fixos, ações fragmentadas e diálogos dispostos em balõezinhos de texto, foi inaugurada nos jornais sensacionalistas de Nova York com uma tirinha de Outcault, chamada The Yellow Kid, e fez tanto sucesso que acabou sendo disputada por jornais de renome. Claro que esse modelo utilizado por Outcault não surgiu do acaso, pois as histórias em quadrinhos mais antigas surgiram nos primórdios, basta lembrar que os homens das cavernas comunicavam-se através das pinturas rupestres, contando através de desenhos a saga diária de nossos ancestrais na luta pela sobrevivência. Bom, voltemos aos tempos modernos.

No fim do século XIX, com a invenção da prensa a vapor, nasceram os quadrinhos no formato que conhecemos hoje. A prensa a vapor passou, então, a imprimir mais impressões em menos tempo, fazendo com que os impressos alcançassem um público muito maior.

Com a invenção do papel-jornal, as impressões ficaram muito mais baratas e acessíveis, e os quadrinhos chegaram a muito mais pessoas, ajudando a combater o analfabetismo e gerando mais leitores. Ainda no século XIX, com o Romantismo em alta, obras com heróis e vilões que misturavam realidade e ficção eram retratadas em tirinhas e quadrinhos, o que contribuiu ainda mais com a popularização do gênero.

O gênero ficou muito conhecido nos Estados Unidos, no século XX, por ter sido uma das formas que o país usou para lidar com a Grande Depressão de 1929, com a queda da bolsa de valores. Nessa época, os quadrinhos eram uma forma de entretenimento mais acessível e criava um clima otimista. Isso era possível por meio dos heróis – humanos com habilidades poderosas – que eram retratados combatendo os supostos vilões das épocas, como durante

a Segunda Guerra Mundial e na Guerra Fria, quando foram criados vários vilões nazistas e soviéticos.

As comics, como são conhecidas nos países de língua inglesa, surgiram na mesma época do cinematógrafo, mas diferente do que aconteceu com o cinema, que desde sua estreia foi considerado a sétima arte, os quadrinhos não receberam da crítica a devida importância, sendo até mesmo considerados como uma má influência para crianças e adolescentes. Isso aconteceu em virtude das temáticas abordadas, que fugiam às narrativas convencionais, pois se nem a disposição no papel era convencional, por que a linguagem o seria? Essa inovação provocou grande estranhamento e as impressões iniciais sobre as HQs transportaram a arte sequencial para o submundo das artes, onde permaneceu até a década de 60, quando invadiu o universo acadêmico e ganhou a simpatia de estudantes e professores. Em 1923, Ricciotto Canudo publicou o "Manifesto das Sete artes" organizando as artes em classificações. Mas os quadrinhos, que começaram como entretenimento simples, barato e de massa, evoluíram e se estabeleceram definitivamente como arte. E como arte se apresenta ao mundo, como a nona arte!

As histórias em quadrinhos mais famosas são aquelas que retratam a vida de super-heróis, eternizados na arte sequencial e transportados para a linguagem cinematográfica, ganhando projeção internacional e povoando o imaginário de leitores do mundo inteiro. Mas nem toda HQ fica restrita a narrar as peripécias de personagens dotados de superpoderes: artistas como Marjane Satrapi e Art Spiegelman utilizaram as histórias em quadrinhos para narrar suas histórias de vida. Persépolis, livro de Marjane Satrapi publicado em quatro volumes, narra a infância da escritora iraniana durante a Revolução Islâmica. Já o livro “Maus”, do americano de origem judia Art Spiegelman, conta a história de seus pais, sobreviventes dos campos de concentração de Auschwitz, durante a Segunda Guerra Mundial. “Maus” recebeu, em 1992, o primeiro prêmio Pulitzer destinado a um livro de história em quadrinhos. Para saber mais sobre os fatos históricos, leia aqui: https://revistapesquisa.fapesp.br/a-nona-arte/

Características

· Balões de variados tipos e formas que mostram os diálogos dos personagens ou suas ideias.

Balões de Diálogo

· Possuem elementos básicos de narrativa, tais como personagens, enredo, lugar, tempo e desfecho.
· Sequência de imagens que montam uma cena.



2. O que é uma tirinha/tira?

R: Uma tira de banda desenhada (chamada ainda de tira cómica ou tirinha/tira de quadrinhos) é o equivalente em português do termo inglês comic strips, o qual se refere a uma apresentação possível de banda desenhada, caracterizada por uma série de vinhetas, publicada regularmente (normalmente diariamente ou semanalmente), em jornais, revistas e mais recentemente nas páginas da Internet (webcomics). Estrutura-se em enunciados curtos, e traz um conteúdo em que predomina a crítica, com humor, a modos de comportamento, valores, sentimentos, destacando-se, portanto, nessa composição, códigos verbais e não-verbais.

3. Descrever como elaborar um roteiro de uma história para HQ, citando e explicando quais seus principais passos e técnicas.

1) Escreva.
Escreva muito. Pare de falar a respeito de escrever e escreva. Escreva tudo o que der na telha na hora. Pode não vir a fazer sentido algum no final, mas faz parte do processo de criação.

Não tem desculpa: você pode pegar uma folha simples de papel e desandar a escrever. Mas para quem tem acesso a computador, mais fácil ainda: vá jogando tudo num arquivo. Na hora de produzir o roteiro pra valer mesmo, você pode salvar o tal arquivo com outro nome: é mais fácil cortar, reescrever, reorganizar, editar, enfim… Mas isso só é possível se já tiver algo escrito.

2) Organize as ideias.
Muitas delas são bacanas, mas não funcionam numa história só (vale a pena guardar para outras). Pense que as coisas têm que fazer sentido – ações têm consequências, como na vida real, e espera-se que exista começo, meio e fim. Mesmo que a HQ seja contada fora de ordem cronológica. Ora, você não aprendeu nada mesmo quando estudou dissertação na escola?

Vale apelar para as perguntas básicas dos jornalistas: Quem? O quê? Como? Por quê? Quando? Onde? Enquanto você elabora respostas para essas perguntas, vai delineando a história na sua cabeça (e no papel, ou na tela do computador).

3) Não escreva para si mesmo.
Esta dica vale especialmente quando o roteiro será desenhado por outra pessoa (embora acredite que valha mesmo quando se desenha uma história própria, para não ter que confiar na memória). Um roteiro é uma ferramenta de trabalho. Você deve expor de maneira clara, o mais objetivamente possível, o que pretende que seja desenhado.

O desenhista será seu primeiro leitor. Se não conseguir capturar o interesse dele, quem dirá dos demais? Ele ainda terá uma série de decisões a tomar para desenhar (acompanhe um profissional decidindo sobre o que colocar numa página e verá como funciona), então não seja preguiçoso e dê um mínimo de detalhe sobre as cenas: se não, ele terá que “adivinhar” o que passou por sua cabeça.

E escreva corretamente em língua portuguesa, por favor: escrever bem só se aprende com bastante prática e boa leitura. Um roteiro com erros crassos de português perde total credibilidade e o interesse do leitor.

4) Não fale sobre uma ação: mostre-a.
Você pode ser desenhista ou não, mas é importante pensar que o que você está escrevendo vai virar imagens. Ao invés de colocar uma caixa de narração explicando que um personagem é malvado, crie uma situação na qual ele possa demonstrar sua malvadeza.

Uma imagem não vale mais que mil palavras? Quanto mais importante a ação, mais detalhes você tem que incluir no roteiro, que servirá como orientação para o desenhista. Se uma expressão de um personagem é importante, num determinado momento, peça um close (isso, como em linguagem cinematográfica). Se o importante é mostrar onde ele está, marque um plano geral do local.

Vale lembrar que, num roteiro, você identifica o texto que deve entrar no quadrinho (nos balões, ou nos quadros de narração). Este texto sempre deve ser complementar à ação. Na maioria das vezes será ridículo você colocar um quadro com a narração “Ele desferiu um soco no queixo do adversário” enquanto o que se vê é um sujeito dando um soco no queixo de outro.

5) O tempo dos quadrinhos é um caso à parte.
O tempo nos quadrinhos é determinado por fatores como o tamanho e detalhamento de um desenho e pelo espaço de requadro (o intervalo entre um quadrinho e outro).Você pode narrar ações simultâneas intercalando quadros. Você pode colocar num quadro ou numa sequência de quadros, um desenho que mostre o tempo daquela ação (como uma sequência que mostra um sujeito em sua cama do ato de dormir até o de acordar, enquanto no fundo do quadro vemos uma janela mostrando o sol que vai raiando).

E existe também o tempo de leitura: um quadro de página inteira pode ser lido rapidamente ou não, dependendo do tamanho do desenho e dos detalhes contidos nele. É uma opção que se faz. Mas lembre-se: por mais que o roteirista e desenhista se esforcem para colocar “amarras” no tempo da HQ, o leitor ainda vai querer determinar seu próprio tempo de leitura e pode até subverter a ordem de leitura, pulando páginas (é a parte mais interativa do negócio). Um bom roteiro ajuda o leitor a mergulhar na história como ela foi concebida.

4. Montar um banco de imagens mostrando, no mínimo, 5 diferentes estudos e/ou traços de anatomia das personagens. Escolher um deles para apresentar uma série de diferentes posições desenhadas por você mesmo, utilizando personagens masculinos e femininos.

Item prático.

Veja o exemplo abaixo.
Anatomia dos Personagens


5. Explicar e dar exemplos desenhados a próprio punho dos seguintes itens:

Item prático.

Assista os outros vídeos do passo a passo para te ajudar a desenvolver a sua HQ.

a) Pré-produção, produção e pós-produção.

• Ideia, roteiro, criar os personagens (aspectos físicos e psicológicos), storyboard, conceito;

• Protótipos, design da história, desenhos, recursos da história (escrita dentro dos balões de ação e ou pensamentos);

• Composição, edição, finalização da história.

b) Composição: design de página, quadro, cena, adequação narrativa.

• Colocar em ordem os quadros da história, cenas e falas (planos).

• Sempre da esquerda para a direita, de cima para baixo;

• Cada quadro dentro de um quadrinho representa um tempo e espaço, quando o desenho passa de uma cena pra outra, nós temos a ideia de que a cena está se desenrolando e que o tempo está passando, isso pode ser representado pelo desenho, com cenários e expressões dos personagens e também com palavras.

c) Elementos gráficos de texto: recordatórios, balões, onomatopeias, "letreiramento", tipologia.

• O espaço vai dizer quanto tempo essa narrativa vai ter, ou seja, quanto mais quadrinhos tiver a história, mais longa ela será.

d) Arte-final: tradicional, tratamentos especiais, técnicas mistas.

• Uma característica que se manteve nos desenhos dos quadrinhos em todos esses anos, é o uso de luz e sombra. Acredito que essa influência seja resultado do estilo Barroco, onde os pintores utilizavam essa técnica na composição das pinturas. Essa forma de desenhar os cenários e personagens com luz e sombra é uma característica que os quadrinhos vêm preservando em todos esses anos.

• A luz e sombra é um elemento que dá força e expressão para os personagens e cenários, além de detalhar certas partes do traço.

• Os desenhos dos quadrinhos geralmente são feitos a lápis, mas dependendo do artista, pode ser feito com carvão, nanquim e até canetas. Os artistas delimitam os quadros das cenas nos desenhos, isso pode ser feito com o roteirista da história, mas na maioria dos casos, o artista fica livre nesse sentido.

6. Criar uma personagem que será um dos 12 discípulos e escrever uma história de, pelo menos, 30 quadros sobre sua viagem missionária.

Item prático.

Leia o Livro de Atos para escolher a sua história.

7. Montar uma HQ contando a história da Turma do Nosso Amiguinho, contendo autor, personagens e outras informações pertinentes.

Item prático.

Veja aqui um pouco da História da Turma do Nosso Amiguinho e do Desenhista Heber Britos.

8. Desenhar uma tirinha sobre um fato engraçado ocorrido no seu Clube ou unidade.

Item prático.

9. Criar uma capa colorida em tamanho A3 na linguagem HQ para o livro missionário do ano.

Item prático.

Fontes pesquisadas: https://mundoeducacao.uol.com.br/ | https://brasilescola.uol.com.br/ | http://quadro-a-quadro.blog.br/ | https://pt.wikipedia.org/ | http://www.saposvoadores.com.br/ | https://www.deviantart.com/desenhosdoreu/art/Anatomia-e-Proporcao-vs-Traco-e-Estilo-487574492 | http://www.meliesblogs.com.br/ | https://designculture.com.br/ | http://ultimato.com.br/ | https://pt.wikipedia.org/ | https://archive.is/
Especialidade enviada pela colaboradora Alessandra. 
Se você também quiser colaborar com o D7 enviando alguma especialidade que ainda não tem no blog, é só enviar para o e-mail desbrava7blog@hotmail.com

Se inscreva no canal e fique por dentro de todo conteúdo!


Baixe a Especialidade.
Clique AQUI e baixe a especialidade SEM RESPOSTAS.
Clique AQUI e baixe a especialidade COM RESPOSTAS.

Lembre de adicionar suas respostas ao relatório, fiz ele no word para que você pudesse editar do seu jeitinho. Qualquer dúvida, me procurem!

Nenhum comentário:

Deixe um comentário. ♡