Especialidade de Arqueologia Bíblica Respondida - Desbrava7 | Especialidades Respondidas | Desbravadores

Especialidade de Arqueologia Bíblica Respondida

em 4/17/2019

Especialidade-de-Arqueologia-Biblica-Respondida
Especialidade Arqueologia Bíblica, se você não tem, vem conferir e não esquece de compartilhar com seus amigos, a divulgação de vocês me ajuda muito!

Especialidade Arqueologia Bíblica.



1. Definir arqueologia, diferenciando-a da paleontologia.

R: A arqueologia é o ramo da ciência que procura recuperar o ambiente histórico e a cultura dos povos antigos , através de escavações e do estudo de objetos e documentos deixados por eles. Assim, fragmentos de cerâmica, ferramentas, instrumentos de caça, por exemplo, são achados arqueológicos. Além disso, o espaço de tempo estudado pela Arqueologia é menor, pois trabalha somente no período em que as civilizações foram formadas.

Já a paleontologia lida principalmente com as formas de vida ditas “primitivas”, ou seja, para nós que acreditamos na Bíblia, “pré-diluvianas”. O paleontólogo estuda especialmente fósseis (dentes, ossos, conchas, sementes, troncos) ou vestígios (pegadas, ovos e até fezes) de organismos que viveram desde o início do mundo, como a vida dos dinossauros, por exemplo.

2. Defina os seguintes termos:

a) Papirólogo.
R: Pessoa responsável pela preservação, identificação e publicação de antigos manuscritos.

b) Egiptólogo.
R: Estudioso do Antigo Egito.

c) Assiriólogo.
R: Estudioso das antiguidades assírias.

d) Orientalista.
R: Pessoa versada no estudo das línguas e das civilizações orientais.

e) Escrita Cuneiforme.
R: Foi desenvolvida pelos sumérios, sendo a designação geral dada a certos tipos de escrita feitas com auxílio de objetos em formato de cunha.

f) Hieróglifo.
R: São os sinais da escrita de antigas civilizações, tais como os egípcios, os hititas, e os maias.

g) Paleografia.
R: Estudo das antigas formas de escrita, incluindo sua datação, decifração, origem, interpretação etc.

h) Antiquário.
R: É uma loja que vende artigos antigos, como por exemplo livros raros, obras de arte, móveis, entre outras coisas.

i) Sítio arqueológico.
R: Sítio arqueológico, local arqueológico ou estação arqueológica é um local ou grupo de locais - cujas áreas e delimitações nem sempre se podem definir com precisão - onde ficaram preservados testemunhos e evidências de atividades do passado histórico, seja, esse, pré-histórico ou não.

j) Estratigrafia.
R: A Estratigrafia é o ramo da geologia que estuda os estratos ou camadas de rochas, buscando determinar os processos e eventos que as formaram. Basicamente segue o princípio da sobreposição das camadas.
k) Tel, tell e Khirbet.
R: Preliminarmente, há três modos de classificar as cidades: Tell ou Tall (quando se refere a sítios com nomes árabes), Tel (para sítios de nomes hebraicos) e Khirbet. As duas primeiras designações referem-se a cidades que, antes da escavação, encontram-se completamente cobertas por uma colina de entulhos que se formou ao longo dos anos. Já a última (Khirbet) diz respeito àquelas ruínas que ainda permanecem visíveis acima da terra, mesmo antes da chegada dos escavadores. Khirbet significa “ruína de pedras”.

l) Réplica.
R: Uma réplica é um objeto muito semelhante a um achado arqueológico usado geralmente em museus para exposição. Devido ao grande valor das peças originais, em algumas exposições, as réplicas é que são apresentadas.

3. Citar 10 ferramentas utilizadas por um arqueólogo numa escavação.

Máquina fotográfica: Destinada a registar tanto os locais de escavação como os artefatos encontrados, ajudando por vezes a identificar pormenores que não tinham sido verificados a olho nu.

Drones: Ferramenta recente da Arqueologia, permite a obtenção de fotografias aéreas para melhor visualizar hipotéticos locais arqueológicos perante uma análise do terreno.

Nível: Também apelidado de nível ótico, tem a finalidade de medição de desníveis que estão a distintas alturas ou trasladar a cota de um ponto conhecido (regra geral o ponto zero) a outro desconhecido. Facilita a georreferenciação de locais arqueológicos e o desenho arqueológico.

Pá: Serve logicamente para escavar e remover as terras provenientes de locais arqueológicos.

Picareta: Instrumento pesado que permite remover mais facilmente as camadas mais duras de terra em um menor espaço de tempo do que a pá.

Colherim: Permite remover ou delimitar artefatos arqueológicos ou pedras de uma determinada estrutura e criar com maior precisão o espaço que se pretende escavar, neste caso uma quadricula, servindo também para decapar, ou seja, remover terras em menor quantidade quando se pretende escavar por camadas mais pequenas.

Pequena picareta (pico): Tem uma função semelhante á picareta mas funciona a uma escala mais pequena á semelhança do colherim, usado pra remover com mais precisão camadas mais pequenas.

Norte: Pequena seta utilizada recorrentemente na fotografia arqueológica de forma a mostrar a orientação do local ou artefacto arqueológico.

Escala: Serve em fotografia arqueológica para mostrar o tamanho do achado em relação a essa mesma escala para que se possa obter uma melhor percepção do objeto/local.

Bússola: Tem a função de encontrar o norte e registar as coordenadas, pode ser usada em conjunto com um mapa ou carta arqueológica.

Pincel: Tem como função o auxílio á limpeza de objetos arqueológicos ou estruturas com o objetivo de se obter uma melhor visualização dos mesmos

Mira métrica: Mira é um instrumento utilizado pelo topógrafo ou arqueólogo para elevar o ponto topográfico com objetivo de torná-lo visível e necessário nas operações de nivelamento geométrico. 

Fita métrica: Serve para medir a dimensão dos locais ou estabelecer quadrículas.

GPS: (Sistema de Posicionamento Global) é um sistema de radionavegação por satélite que permite determinar a posição, velocidade e o fuso horário dos utilizadores em terra, mar e aerotransportados 24 horas por dia, em todas as condições climatéricas e em qualquer parte do mundo.

Carta topográfica: Uma representação, em escala, da superfície terrestre com cotas ao nível das águas do mar , relevo do terreno e representações variadas.

4. Quais são as principais técnicas de datação de um artefato arqueológico? Explique-as.

Técnicas Relativas.
Dentre as técnicas relativas, temos a estratigrafia e a seriação:
Estratigrafia: Essa técnica se baseia na sobreposição de estratos de um Tell que se formou ao longo dos anos. O que está nas camadas superiores é, logicamente, mais recente e o que está nas bases é mais antigo.
Seriação: Essa outra técnica baseia-se na eventual alteração que os objetos sofrem de uma para outra geração, como é o caso das moedas e das cerâmicas de um modo geral que recebem novos formatos, à medida que as gerações passam. Sabendo em que formato tal vaso se encontrava podemos descobrir de que época ele foi feito.

Técnicas absolutas.
As técnicas absolutas mais conhecidas são a dendrocronologia e o Carbono 14.
Dendrocronologia: Essa técnica foi elaborada por Andrew Ellicott Douglas. Ele se baseou no fato que as árvores desenvolvem anéis concêntricos que são indicadores de ciclos solares. Assim, árvores localizadas nas proximidades de grandes sítios arqueológicos ajudariam na datação dos objetos ali encontrados.
Radiocarbono ou Carbono 14: É considerado um dos mais revolucionários métodos de datação do mundo científico. Essa técnica utiliza o montante de Carbono 14 disponível em organismos vivos como instrumentos medidores de tempo. Esse sistema pode ser utilizado em qualquer resto de material orgânico como madeira, ossos, petróleo, plantas, etc. Na arqueologia ele é eficaz para, por exemplo, datar o madeiramento de um barco, de uma folha misturada a argila de uma cerâmica, ou um tecido encontrado numa múmia.

5. Citar 3 benefícios que a arqueologia bíblica pode trazer ao estudante da Bíblia.

R: O uso da Arqueologia vem então trazer um rigor científico ao Livro Sagrado. São várias as suas contribuições para a Bíblia em seus dois séculos de existência. Wayne Jackson enumerou cinco contribuições. São elas:
1. Ajudado na identificação dos lugares e no estabelecimento de datas;
2. Contribuído para o melhor conhecimento de antigos costumes e obscuros idiomas;
3. Trazido luz sobre o significado de numerosas passagens bíblicas;
4. Aumentado nosso entendimento sobre certos pontos doutrinários do Novo Testamento;
5. Silenciado progressivamente certos críticos que não aceitam a inspirada Palavra de Deus.

6. Redigir um relatório sobre a história da arqueologia com, pelo menos, 2 páginas.

Leia aqui e aqui para fazer seu relatório.

7. Redigir uma biografia de, pelo menos, 1 página sobre:


8. O que é Maximalismo e Minimalismo?

R: Os Maximalistas se sentem suficientemente satisfeitos com as evidências já desenterradas e não questionam a Bíblia com base apenas no que ainda não foi encontrado, já o Minimalistas, tendem a supor que tudo o que não é minunciosamente comprovado pelas evidências contemporâneas deve ser corrigido ou abandonado. Os minimalistas então só acreditam, por exemplo, que existiu um rei de Salém, chamado Melquisedeque, se acharmos alguma coisa daquela época que mencione explicitamente o nome desse personagem. Para os minimalistas, até que se prove a existência dele, o personagem não passa de um mito.

9. Montar e manter uma pasta com 10 descobertas arqueológicas que colaboram a história bíblica tanto do Antigo como do Novo Testamento. A pasta deverá ter as seguintes características:

Pesquise.
Escavações na cidade bíblica de Hazor.
Escavações em Laquis.
Escavações em Khirbet Qeiyafa.
Selo da Tentação.
Selo de Adão e Eva.
Os épicos do dilúvio.
Inscrição de Deir Allar - Balaão.
Escravidão no Egito.
José no Egito.
Bezerro de Ouro.

a) Dados em ordem cronológica ou geográfica.
b) Organizados por Antigo e Novo Testamento.
c) Fotos.
d) Textos.
e) Fontes bibliográficas.
f) Comentário pessoal sobre cada artefato ou descoberta.

10. Listar 5 escavações em andamento hoje, ao redor do mundo, que sejam relevantes para a compreensão do texto bíblico. Explicar porque cada escavação é relevante para a compreensão do texto bíblico.

Obelisco negro e o prisma de Taylor.
Estes artefatos mostram duas derrotas militares de Israel. O primeiro traz o desenho do rei Jeú oferecendo tributo, prostrado diante de Salmanazar III, e o segundo descreve o cerco de Senaqueribe a Jerusalém, citando textualmente o confinamento do rei Ezequias.

Ossário de Caifás.
Surpreendentemente, o túmulo do sacerdote foi descoberto em 1990. Arqueólogo israelense Zvi Greenhut, que confirmou o achado, descreve o evento: Duas das 12 caixas de pedra encontradas possuía o nome Caifás escrito no lado, e uma continha o nome completo: “José, filho de Caifás”. Dentro desta caixa estavam os restos de um homem de 60 anos de idade, juntamente com os ossos de uma mulher e quatro pessoas mais jovens, provavelmente aqueles de sua própria família. “Uma pessoa de nome José, com o cognome Caifás era o sumo sacerdote em Jerusalém, entre 18 e 36 D.C. O Novo Testamento fornece apenas seu cognome na forma grega: Caifás (ver Mateus 26:3, 57, Lucas 3:02, João 11:49, 18:13-14, 24, 28, Atos 4:6. Os arqueólogos, assim, confirmam a existência dessa importante figura do Novo Testamento. Eles também têm comprovado a existência de outro personagem principal fundamental para os eventos que cercam o julgamento, a prisão e execução de Jesus Cristo.

A inscrição de Pilatos.
Durante séculos, Pilatos era conhecido apenas em escassos registros históricos e os Evangelhos. Nenhuma evidência física direta havia sido encontrada. Então, em 1961, uma placa de pedra gravada com o nome de Pilatos, o título foi descoberto em Cesaréia, o porto romano e capital da Judéia na época de Cristo. “De dois pés por três mede a placa, agora conhecida como a Inscrição de Pilatos, foi... aparentemente escrita para comemorar a ereção de Pilatos e a dedicação de um Tiberium, um templo para a adoração de Tibério César, imperador romano durante o tempo de Pilatos na Judéia”. “A inscrição em latim de quatro linhas dá o título como” Pôncio Pilatos, prefeito da Judéia, “um título muito semelhante ao utilizado para ele no Evangelho (cf. Lc 3:1). Este foi o primeiro achado arqueológico a mencionar Pilatos, e novamente testemunha a precisão dos escritores dos Evangelhos.

A prova da crucificação.
Até recentemente alguns estudiosos consideravam a descrição da crucificação de Cristo como falsa. Eles pensaram que era impossível para um corpo humano a ser perfurado por pregos nas mãos e nos pés, porque a carne acabaria se rompendo. Em vez disso, achavam que as vítimas eram presas por cordas. No entanto, em 1968, o corpo de um homem crucificado que data do primeiro século foi encontrado em Jerusalém. Aqui, o verdadeiro método de crucificação foi descoberto: seus tornozelos, não os pés, foram pregados e poderia facilmente suportar seu peso. O arqueólogo Price Randall explica: “Este achado raro provou ser uma das testemunhas mais importantes arqueológicas para a crucificação de Jesus como registrada nos Evangelhos. Primeiro, ele revela novamente os horrores do castigo romano... Este método de execução forçava o peso do corpo sendo colocado nos pregos, causando espasmos musculares terrivelmente dolorosos e eventualmente a morte pelo processo excruciante de asfixia... Segundo, foi uma vez afirmado que a descrição dos Evangelhos do método da crucificação é historicamente precisa... a descoberta dos pregos perfurados no osso dos tornozelos refuta aqueles que dizem que pregos não poderiam ser usados”

Cafarnaum.
A cidade em que Jesus morou foi escavada e preservada para visitação. Ali é possível se ver os restos de uma sinagoga e uma igreja bizantinas que foram respectivamente construídas sobre a sinagoga dos dias de Jesus, e a casa de Pedro, o líder dos doze apóstolos. Em uma das colunas de pedra calcária branca há uma inscrição em aramaico que diz: “HLPW, filho de Zebida, filho de Johanan, fez esta coluna. ” Estes nomes, correspondem aproximadamente a Alfeu, a Zebedeu e a João, mencionados no Novo Testamento ... nas listas dos discípulos de Jesus e se suas famílias (Mc 3:17-18)



11. Montar uma maquete simples de Jerusalém observando o seguinte:

Item prático.

a) Relevo
b) Os diferentes perímetros da cidade nas épocas do 1º templo (Davi e Salomão), 2º templo (Herodes e Jesus Cristo) e a Jerusalém atual.
c) Os principais sítios arqueológicos.
d) Os principais pontos de visitação religiosa.

Especialidade enviada pelo Victor, obrigada!

Se você também quiser enviar uma especialidade, o e-mail é desbrava7blog@hotmail.com

-- ♥ --

Se inscreva no canal e fique por dentro de todo conteúdo!


Baixe a Especialidade.
Clique aqui e baixe a especialidade SEM RESPOSTAS.
Clique aqui e baixe a especialidade COM RESPOSTAS.

Lembre de adicionar suas respostas ao relatório, fiz ele no word para que você pudesse editar do seu jeitinho. Qualquer dúvida, me procurem!

Nenhum comentário:

Deixe um comentário. ♡